Maçonaria – Mistérios Egípcios

Seguindo adiante, vamos falar dessa que é considerada por muitos (o que não quer dizer que seja verdade) a escola de mistérios mais antiga a influenciar a Maçonaria: Os Mistérios Egípcios!

É no Egito que, de certa forma, começamos a estabelecer o conceito mais antigo de Mistérios Antigos que vieram a influenciar as Ordens Iniciáticas em determinadas épocas como o Iluminismo e, logo em seguida, o Pós Iluminismo.

Historicamente falando, existiram Escolas de Mistério mais antigas do que a do Egito, mas alguns fatores fizeram com que esses mistérios mais antigos não fossem de influência tão grande como o dos egípcios.

Um dos motivos é pelo fato de que não se tinham muitos dados sobre esses outros mistérios na época em que as Ordens Iniciáticas Europeias começaram a se desenvolver. E o que se tinha parece não ter tido tanto apelo assim. Já o Antigo Egito, passou a ser mais popular (juntamente com algumas outras Escolas que falaremos em outros Posts) após o período do Renascimento, que foi o Período onde se teve uma “busca pelo conhecimento do passado”.

Essa volta ao passado fez com que o conhecimento de antigamente se tornasse algo especial e importante para os novos movimentos que surgiram a partir dessa época.

Uma dessas influências é a ideia dos Símbolos (que foi bastante trabalhada através dos Hieróglifos Egípcios) e a outra foi a ideia dos Rituais/Cerimonias (que teve forte influência das Cerimônias Fúnebres e dos Mistérios de Osíris).

Hieróglifos

Os Hieróglifos foram uma mistura de símbolos e grafia do Egito e que até hoje servem como bons exemplos de símbolos e de suas influências, principalmente quando precisamos explicar qual é a proposta de um símbolo – que é o de reunir e apresentar um conjunto de ideias através de uma imagem que possa representar tudo aquilo.

Os hieróglifos são realmente importantes como exemplo porque eles nos permitem avaliar a ideia de um símbolo de forma muito metódica.

O processo de criação de um símbolo não se dá quando você pensa em criar um símbolo para só depois dar um significado a ele (ou, pelo menos, não deveria ser assim). O símbolo surge da necessidade de uma representação que se dará de forma emblemática.

É por isso, inclusive, que os hieróglifos não podem ser entendidos APENAS como símbolos, pois muitos deles tinham características fonéticas (que é o que nos mostra que tratam-se também de grafia). Ou seja, eram símbolos que também expressavam sons específicos de acordo com determinada representação.

Essa mesma cultura de símbolos (dos hieróglifos) influenciou também os números egípcios, onde podemos ver os números sendo representados por símbolos que continham ideias que pudessem representar aquela grande quantidade que aqueles números representavam. Como exemplo temos o número 1.000.000, cujo desenho era o de uma pessoa em adoração/veneração aos deuses (que eram os Senhores que governavam todas as pessoas). Da mesma forma que o 100.000 era representado por um sapo (que era um símbolo de fertilidade para eles) e o 10.000 era representado pelo dedo do faraó, por simbolizar o poder.

Cerimônias

Quanto aos Rituais de Cerimônias Fúnebres terem influenciado as cerimônias da Maçonaria (e de outras Ordens Iniciáticas), cabe aqui uma explicação anterior.

Os motivos mais prováveis para que cerimônias tenham sido implantadas na Maçonaria é o fato de que elas já existiam na igreja católica e ter essas cerimônias na Ordem fazia com que o membro tivesse melhor identificação com a mesma.

Entretanto, esse era apenas o motivo para existirem essas cerimônias, mas o processo e o objetivo principal delas (principalmente no que tange a Iniciação) não tinham os mesmos princípios e objetivos cristãos.

Para os mais familiarizados com o tema Iniciação (seja com relação à Maçonaria ou a quaisquer outras Ordens Iniciáticas) não é nenhuma novidade que o objetivo do processo de iniciação é apresentar um novo mundo ao novo membro da Ordem, através do processo (simbólico, obviamente) do renascimento.

O iniciado estaria morrendo para renascer em um novo mundo com uma representação simbólica da sua morte e renascimento (como as folhas que caem no Outono e renascem na Primavera).

É aqui que passamos a ver algumas características dessas cerimônias egípcias na Maçonaria (lembrando que a Maçonaria tem vários Ritos e Rituais e, devido a isso, as cerimônias de iniciação são diferentes umas das outras – mas apenas em “forma” e não em “essência”).

As cerimônias fúnebres foram consideradas muito importantes, dentre todas as cerimônias egípcias, porque sendo a vida o maior bem que todos nós temos, o entendimento da morte, naturalmente, passa a ser extremamente crucial.

Juntamente a ela, também existiu uma outra cerimônia importantíssima, e que também tinha relação com a morte e que foi importante (principalmente como referencial) para diversas ordens e movimentos iniciáticos futuros, que foram as cerimônias dos Mitos de Osíris, também conhecidos como os Mistérios de Osíris.

Mistérios de Osíris

Essa cerimônia, comemorada periodicamente no Antigo Egito (após, obviamente, o mito de Osíris ficar mais difundido), consistia em contar a história de Osíris e apresentar a história do seu “renascimento”.

Na história de Osíris, ele foi um grande governador do Egito (?) que foi traído e morto por seu irmão Seth. Existem muito mais do que apenas uma versão dessa história (acerca de como esses eventos se desenrolaram), portanto, vou me limitar apenas a colocar a ideia principal desse evento (que foi a traição de Seth) e a busca de Isis (sua esposa) pelo corpo do marido.

Nos contos (que também divergem), após o corpo de Osíris ter sido esquartejado e espalhado pelo Egito, Isis vai atrás desses pedaços para conseguir reunir o corpo de Osíris.

O processo de juntar os pedaços do corpo (na tentativa de reconstruí-lo) para que Isis pudesse ressuscitá-lo (e daí ter uma relação sexual com ele) é considerado por muitos como a primeira mumificação (lembrando que estamos falando de um mito, é claro).

Entretanto, após o ocorrido, Osíris passa a reinar apenas no plano dos mortos (enquanto é vingado por seu filho Hórus, na terra).

Esse processo da mumificação (das cerimônias fúnebres, que colocavam o corpo em um “caixão” para que no futuro pudesse ressuscitar) e a ressurreição de Osíris (que que foi outra forma de superar a morte) foram grandes influenciadores da ideia principal de morte e renascimento que viria a ser reproduzido por inúmeras culturas posteriores, mesmo antes das Ordens Iniciáticas (e tenho certeza que você consegue pensar em algumas religiões aqui), mas que passou a ser muito importante dentro delas, já que esse é o caráter da esmagadora maioria dos procedimentos de iniciação que temos nas Ordens hoje em dia.

A Tradição e os Mistérios Egípcios

Eu usei como referência essas duas questões (dos hieróglifos e do mito de osíris) por serem questões muito evidentes e impactantes nos movimentos iniciáticos que surgiram após a Queda da Idade Média, no entanto, isso não quer dizer que essas questões tiveram influência diretamente do Egito Antigo até chegar nessas Ordens (como também não quer dizer que o Egito foi a primeira civilização a ter essas referências).

O que acontece é que, desde o advento do Renascimento, voltou-se a olhar esse passado pré-cristão e passou-se a buscar nele questões místicas que pudessem ser aplicadas e representadas na época em que se estava vivendo. Dessa forma, mesmo que o fator mais determinante para ter existido cerimônias na Maçonaria tenha sido o fato (já citado) de, por já existirem cerimônias na Igreja Católica Romana isso ter facilitado a aceitação e o trabalho por parte daqueles que viriam a se tornar maçons, o que esses maçons buscavam para dar essas explicações, de acordo com que a Ordem ia se desenvolvendo, eram as explicações acerca dos Mistérios Antigos.

Dessa forma, muitas coisas dentro da Ordem passaram a ser creditadas aos Mistérios Antigos (para que a Ordem pudesse ter um “ar de antiguidade” que parece sempre dar mais prestígio) e outras foram realmente inseridas em um determinado Ritual por ser um Símbolo Antigo e que faria referência direta a esses Mistérios (o que, naturalmente, acabava gerando – por alguns – a ideia de que a Ordem teve origem naqueles tempos longínquos, quando na verdade era só uma referência a uma tradição do passado).

Alguns não veem isso como um problema no sentido de “não poder afirmar que só existem cerimônias na Maçonaria por terem existido essas antigas cerimônias do passado”, já que a própria Igreja Católica também se baseou em cerimônias antigas para organizar suas próprias cerimônias. Ou seja, se existem cerimônias na Maçonaria devido ao fato de existirem na Igreja Católica, mas as cerimônias da Igreja Católica existem devido a cerimônias mais antigas, por que não se poderia afirmar que só existem cerimônias na Maçonaria porque antes existiram cerimônias na antiguidade? Mas isso fica a critério de cada um…

Portanto, e voltando ao foco, não há influência direta dos Mistérios Egípcios na Maçonaria (como também não há com relação aos Templários e diversas outras instituições, como sempre friso). Entretanto, não se pode ignorar que muitos símbolos, mitos e procedimentos foram adotados baseando-se nos Mistérios Egípcios e, mesmo os que não foram – mas que são encontrados nos Rituais – podem ser tomados como parte da Tradição Maçônica.

Em outras palavras, pode até não existir uma relação direta que ligue a Maçonaria aos Mistérios Egípcios, mas se eles (os Mistérios Egípcios) foram um influenciador para várias coisas que existem na Ordem (incluindo muitas histórias que aparecem nos Rituais), é importante entendermos um pouco dele no estudo da “História e da Tradição da Franco-Maçonaria”.

This entry was posted in Maçonaria. Bookmark the permalink.

21 Responses to Maçonaria – Mistérios Egípcios

  1. Paulo Ricardo says:

    Dando prosseguimento aos trabalhos com os Mistérios Antigos. Excelente como sempre!

  2. Casoares says:

    Admin, os post’s estão cada vez mais interessantes e esclarecedores!

  3. Rainha Stefanny says:

    Este novo post é interessantíssimo. Os símbolos dos quais eu mais gosto na mitologia egípcia são o Olho de Horus e a Cabeça Felina. Abraços.

  4. Silvio Gonçalves says:

    O autor é maçom?

  5. Rev.Breno says:

    Qual período do renascimento o autor se refere?

  6. wilson says:

    Raciocinando.

    Os vícios da bebida alcoólica, cigarro, jogo, gula e sexo sem controle, vai atrair pela sintonia vibratória dos pensamentos, espíritos desencarnados que possuem os mesmos desejos e vícios, não devemos esquecer que no mundo invisível ou plano astral, tudo é sintonia, afinidade e atração.
    O Bem tem sintonia com o Bem.
    O mal tem sintonia com o mal.
    Os encarnados viciosos são Vampirizados por espíritos inferiores do mundo espiritual, eles sugam ou absorvem pela AURA dos encarnado as emanações fluídicas das substancias nocivas da bebida, cigarro e drogas.
    Encarnados viciados atraem pela sintonia, desencarnados também viciados.
    Para afastar os maus espíritos e os vampiros psíquicos, temos que nos libertar dos vícios, maus pensamentos e maus desejos, temos que nos depurar moralmente, cultivar pensamentos elevados e nobres, praticar o bem e as virtudes, combater os vícios e maus desejos.
    Pela nossa reforma moral e mental, vamos afastar os maus espíritos e atrair pela sintonia os espíritos de luz.
    Tudo depende dos nossos pensamentos e da nossa conduta moral, não devemos esquecer o bem atrai o bem e o mal atrai o mal.
    Quem escolhe é você.

    Os desencarnados que ardem em desejos pelo álcool não perdem o seu tempo, operando sobre o encarnado que é abstêmio alcoólico, por saberem que perderão os seus esforços e não conseguirão levá-lo ao alcoolismo. preferem, pois, encontrar criaturas afeitas ao álcool ou já debilitadas por outras paixões perigosas, a fim de levá-las ao desregramento por caminhos indiretos.
    da mesma forma procedem os espíritos que eram fumantes inveterados e que se alucinam no espaço pela falta do cigarro.

    Designo como “caneco vivo” a criatura que se deixa dominar completamente pelo vicio do álcool, tornando-se enfraquecido no seu senso de comando psicológico e espiritual. Quando tal acontece, os viciados do Além, que se afinizam à sua constituição psíquica, vigiam-na e atuam incessantemente sobre ela a fim de conseguirem situá-la sob a freqüência vibratória com que operam em comum, para subverterem-lhe completamente a vontade e o caráter. De acordo com a lei de afinidade espiritual, é preciso que o candidato à função de “caneco vivo” vibre na mesma faixa vibratória do malfeitor desencarnado, pois só deste modo é que este consegue agir com êxito e interceptar qualquer inspiração superior que possa ser enviada à sua vítima no sentido de se livrar do vício. Assim que o obsessor consegue domínio completo sobre o bêbedo encarnado, trata de cercá-lo de cuidados e protegê-lo contra outras entidades desencarnadas que também o possam usar como “caneco vivo”.

    O álcool ingerido pelo alcoólatra terreno, depois que lhe atin¬ge o estômago, volatiliza-se em operação progressiva, até alcançar a sua forma etéreo-astral, momento em que os espíritos viciados podem então sugá-lo pela aura do infeliz beberrão. Trata-se de uma espécie de repulsiva operação de vampirismo que, para satisfazer em parte aos desencarnados, exaure a vitalidade da vítima.

    Certas vezes aglomeram-se várias entidades viciadas sobre a aura de um mesmo bêbedo, constituindo uma grotesca e degradante cena de sucção de álcool! Elas se mostram irascíveis e irritadas quando os seus pacientes não as atendem a contento deixando de beber a quantidade desejada para a sua satisfação mórbida completa. Trabalham furiosamente para que o infeliz aumente a sua dose de álcool, pois ele representa o transformador que deve saturar-se cada vez mais a fim de cumprir a repulsiva tarefa de dar de beber aos viciados do Além.

    Daí o motivo por que muitos alcoólatras insistem em afirmar
    que uma força oculta os obriga a beber cada vez mais, até que chegam a cair ao solo inconscientes. Saturados então de álcool, quais míseros farrapos humanos a exsudarem os vapores repelentes da embriaguez total, eles atravessam o resto de suas existências transformados em vítimas dos seus obsessores, que astuciosamente se ocultam nas sombras do Além-Túmulo.

    Portanto, meus amigos procurem combater esses vícios e tomem cuidado com esses espíritos desencarnados que pedem bebidas alcoólicas, cigarros e charutos, são espíritos inferiores ainda apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos.
    Esses espíritos de exus, pomba gira, caboclos, ciganos e outros são espíritos sem luz e muitos deles são vingativos, maldosos, embusteiros, cuidado.

    Para finalizar vejamos essa observação importante.
    Um corpo físico nutrido com alimentos impuros atrairá matéria astral impura correspondente. Um corpo físico alimentado com substancias puras formará um corpo astral purificado. Sendo o corpo astral o veículo das emoções e das paixões, se a sua composição for feita de matéria grosseira, será mais sensível às emoções e paixões baixas, e um corpo refinado terá maior facilidade de ser sensível e expressar emoções também refinadas… Além desses transtornos e enfermidades, O USO DA CARNE, DO ÁLCOOL E DO FUMO, TAMBÉM ATRAI ENTIDADES ASTRAIS INDESEJÁVEIS QUE SE COMPRAZEM NAS EMANAÇÕES DE SANGUE, ÁLCOOL E FUMO.
    Projetando Luz, Um Guia de Aprendizado Espiritual – Narcí Castro de Souza

    ÁLCOOL, DROGAS E FUMO EMITEM ENERGIAS DEGRADANTES QUE ENVOLVEM A AURA DO ESPÍRITO E IMPOSSIBILITAM A DOAÇÃO DE ENERGIAS BENÉFICAS. Dominados pelo vicio o espírito abaixa sua vibração e sintoniza na faixa de ação dos obsessores, tornando-se insensível as inspirações dos espíritos amigos Maiores informações sobre os malefícios espirituais do fumo, álcool e drogas podem ser encontradas literatura espírita e espiritualista

    Vamos raciocinar.

  7. BOLODÓROS says:

    A massonaria não se compara nem de perto com o antigo egito. Eles devem ter uma coisa ou outra para lembrar. Pelo menos ninguém de fora sabe nada da massonaria como eu, logo que diferença faz olhar pra porta do templo e dizer que ela tem a ver com o egito?

    Se ofendi alguém aqui peço desculpas, por favor não lancem contra mim mandragoras.

    • Alberto says:

      Não ofendeu não amigo, o antigo egito é somente uma das bases da maçonaria, não se compara mesmo, não tenho linha o suficiente aqui para explicar, mas estudamos o antigo Egito e nos apoderamos de algumas simbologias, mas vai de cada maçom escolher seu segmento, uns são crentes, outros católicos, muitos espiritas KardeKcistas ( sei la como se escreve kkk) , poucos se aprofundam no antigo egito e seguem suas tradições. OBS: maçonaria não é satanista, o maçom pode ser satanista se quiser, aceitamos todas as religiões, sem distinção. Ordens satanistas são de longe muito diferentes, temos a ordem “templo de satã”, “Ordo nox magistrales” dentre outras. Abraços

  8. Antigo Maçom says:

    O problema é que a maçonaria não passa de um monte de gente junta que não sabe o que está fazendo. O ditos graus superiores não são bodes, mas pavões que querem aparecer uns mais que os outros. Posso dizer pois já fiz parte disso tudo. Os ditos IIr.´. (irmãos), estão mais para primos distantes.
    TFA

    • Marcia says:

      Sr.TFA
      Bom dia! Meu marido tem vindo com uma conversa de se tornar maçon. Eu venho tratando esse assunto com desconfiança. Está tentando me convencer em apoiá-lo . Fiz muitos questionamento tipo: O que eles fazem pra ajudar o próximo? Se ele já procurou saber sobre essa “Ordem”,de um ex maçom? E o que iria acrescentar em nossas vidas?
      Fiquei de pesquisar mais sobre o assunto para ter uma opinião embasada, e não ficar só na minha intuição, também. Pelas leis do universo, me deparei com seu comentário. A palavra “pavão” reforçou o que eu havia comentado com meu marido.
      Será que o senhor poderia me informar mais sobre essa “Ordem”. Me falar coisas que ELES maçons não contam.
      Muito grata pela atenção,
      Marcia

      • Fernando says:

        Cara Márcia,

        Em primeiro lugar acho bom que vc busque embasamento e questione a entrada do teu marido para a maçonaria. O que vem em primeiro lugar para o Maçon é a família, portanto teu marido tem de ter teu apoio incondicional antes de ingressar na ordem. Conversem bastante a respeito. O apoio e participação familiar é fundamental para que teu marido faça proveito e cresça como pessoa, mais humano e fraternal para com a humanidade.
        Respondendo a teus questionamentos, com certeza a Maçonaria é algo que vai ajudar no crescimento pessoal do teu marido. A Maçonaria tem finalidade de gerar amizade e busca um mundo melhor para vivermos todos em harmonia. Não tem raça, credos, cor, e aceita todos sem distinção … mas apenas alguns são indicados, e escolhidos a participar, dentro do perfil do grupo. Teu marido tem total liberdade para aceitar ou não o convite, mas acho que ele deveria aceitar. Verás como irá crescer como pessoa, desde que a humildade seja sempre lembrada…. e não se tornem arrogantes ou intolerantes.
        Acredite, é para o bem, seu, nosso, e da humanindade.
        Um grande abraço a vc e tua família.

      • Alberto says:

        Qualquer duvida aqui esta meu email.

        alberto.glesp@gmail.com

  9. jose sales says:

    Isso é verdade dsenvolvido para livrar o povo da escravidao ,os israelense cansado de revoluçoes criou um metodo inteligente de fazer guerra,tbm foram uns dos primeiros a registrar com precisao na escrita,e o metodo moises foi um verdadeiro show de batalha,nem com muitos soldados e nem comespadas foram capazes de deter o exodo,infiltarndo pessoas certas nos lugares certos,como a maçonaria faz nos dias de hoje,na

  10. jose sales says:

    Nas prefeituras,chefes de policia.,na politica,e seus escravos que. Como senhores feldais impoem escravidao,controlando o poder aquizitivo dos profanos ,como sao chamados os nao maçons,e determinando como que ordem feldal os seus subordinados a humilhar e hostilizar seus inimigos e por fim fazelo de mendingos,para capitoes e policia e delegados e escravos o matarem ou conservarem miseraveis e expor seu nome a fim de “quem vai dar conversa ,para o que um miseravel diz”"jesus ah jesus ele disse sou libertador,exatamente ele é quando disse”a pedra que os construtores regeitaram essa veio se a principal pedra angular”disse isso ,pois os maçons da. Ep9ca achavaque jesus era immpostor como eles eram¡

  11. CRIS says:

    Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores.
    Romanos 5:8
    Jesus levou sobre si nossas dores, Jesus foi “Homem de Dores”. Ele sabe o que é se sentir deprimido e decepcionado, Ele sabe o que é ser abandonado, covardemente traído, injustamente acusado.

    Acredite. Não o Jesus da religião e nem o Jesus dos religiosos, mas no Jesus da Bíblia, o Jesus que cura, o Jesus que faz milagres, o Jesus QUE NÃO ESTÁ PRESO NO MADEIRO, POIS NEM A MORTE PODE DETÊ-LO.

    Ele quer sarar sua visão de quem És de verdade, e quer sarar sua visão da própria vida.

    Ele quer deixar de ser apenas um personagem religioso, de ‘histórias em quadrinhos’ e ser seu Salvador Pessoal, ser seu Refúgio, seu Conselheiro, seu Mestre…
    Acredite, há saída para você!!
    Que estas palavras possam fazer morada em seu coração e a diferença em sua vida!
    Busque uma igreja, onde pregue a PALAVRA DE DEUS, sem destorções, sem acrescentar nem tirar, para que aprenda mais do Senhor e viva em comunhão com o corpo de Cristo

  12. flavia says:

    Congratulações por seu texto muito esclarecedor.
    Infelizmente a especulação sobre o assunto nunca irá se suceder. Conhecendo ou não ex- cristãos, ex- “macumbeiros”, ex- isso ou aquilo sempre irão criticar o que de fato desconhecem. A questão aqui meus caros não é exatamente dizer o que está certo, a minha ou a sua filosofia. E sim agregar conhecimento sobre uma questão.
    Então eu digo sou ex – espirita, e critico tudo pelo que passei? Então voltarei a estaca zero.
    Se de nada me serviu pelo ao menos alguma aprendizagem eu tive. E deverei buscar é claro, alguma ideia que compactue minha forma de pensar para essa realizar em forma de desejos e vontades. Dizem que a fé move montanhas, sim aquilo no que acredito realmente faz materializar a minha vontade.
    Falta de dignidade e decoro, mais precisamente ética dizer que uma coisa e outra não serviram para você, siga em frente.
    PARA O AUTOR:
    Muito bom o seu texto, muito esclarecedor. Parece realmente que você tem conhecimento de causa. Por a caso você é formado em alguma ciência como filosofia, historia ou outros?
    Desculpe por parecer que não tem relevância. Mas tem, pois é muito difícil falar de história antiga no que se refere a dar uma explicação para comparar, ou realmente esclarecer sem ter conhecimento de história. Mas quero deixar claro mais uma vez minha admiração.

  13. IZIDORIO ALVES DA SILVA says:

    Os que divergem da maçonaria é porque não reconhece a existencia de Deus Eterno. A maçonaria é tão bonita e bela que não tenho palavras para expressar sua beleza. Os grande profetas e amados de Deus eram maçons. Solomão, abraão e tantos outros que não citarei.

  14. jurere says:

    Meu irmao ele tem um espírito ….. q pertuba ele …. um marcom conversou com ele ., e disse que ele tem um espírito de faraó. E esse espírito e de geração…. isso é verdade ?

Leave a Reply to BOLODÓROS Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>