Satanismo – Inquisição No Novo Mundo

Chegando ao final da série, já que o próximo Post da categoria será o último, hoje vamos falar um pouco sobre a atuação da Inquisição no Novo Mundo. Ou seja, nessa parte do mundo em que vivemos, que só foi descoberto depois do final da Idade Média – oficialmente.

Geralmente, não paramos para pensar na Inquisição nas Américas, já que é mais comum relacionarmos a Inquisição apenas aos países da Europa, no entanto, também houve Inquisição por aqui (e não podemos terminar essa série sem falar um pouco disso).

Inquisição Nos Domínios Espanhóis

Os tribunais da Inquisição, nas Américas, foram estabelecidos em alguns lugares estratégicos, já que foram poucos os países que realmente sofreram uma pressão da Inquisição.

Primeiramente, vamos falar um pouco do México, onde foi estabelecido o primeiro dos tribunais e onde se tem maior riqueza de dados sobre o tema.

No geral, os acontecimentos no México foram replicados em dois outros países em que também foram estabelecidos os Tribunais da Inquisição: Peru e Colômbia. Mas vamos começar pelo México.

A Inquisição já acontecia há um bom tempo na Europa quando os descobridores das Américas chegaram por aqui. E, como a maior parte deles eram Espanhóis, não era de se estranhar que fosse aparecer tribunais da Inquisição por aqui (nas Américas).

Inicialmente, toda a população que vivia por aqui era indígena, logo, não faria sentido (nem de acordo com as diretrizes do processo inquisitorial) enquadrar os índios como hereges.

Dessa forma, o primeiro passo era bem evidente: Os índios deveriam ser doutrinados. Primeiramente para, em teoria, transmitir a “verdade” para os povos que não a conheciam. E, segundo, para poderem cobrar isso depois.

Não foi uma ideia de sucesso, já que isso intimidou muitos índios no processo de conversão, que viam essas coisas acontecer e passavam a ter receito da conversão – afinal, quem iria querer correr esse risco para depois ser perseguido?

Sem os índios, os primeiros a serem punidos acabavam sendo os estrangeiros que vieram para cá. Os protestantes e os Cristãos-Novos (que eram os Judeus convertidos) foram os que mais sofreram com isso.

Na Europa, nos países onde se tinha a maioria Protestante – ou, pelo menos, um número substancial – já era possível se proteger da Inquisição Católica (mas não da Inquisição Protestante, lembrando que ela foi muito forte e violenta também). No entanto, por aqui era mais difícil disso acontecer, já que na maioria dos países já estava sendo instituído o catolicismo. Devido a isso, muitos Protestantes e Judeus (Cristãos-Novos) acabaram perecendo nas mãos da Inquisição.

Diferentemente da Europa, o motivo que aparentemente guiou a maioria dos casos de condenações pela Inquisição das Américas foi o dinheiro.

Apresentar “motivações” é sempre muito complicado, já que, mesmo com muitos dados à disposição, sempre existe a possibilidade de existir uma motivação que seja alheia ao nosso pensamento atual, no entanto, alguns casos nos permitem fazer um julgamento, ainda que saibamos que pode acontecer de descobrimos (posteriormente) que algum dado ainda não tinha sido descoberto.

Os Tribunais da Inquisição, após as condenações, confiscavam todos os bens e terras que poderiam estar em posse do herege. Basicamente, a maioria dos casos se resumem a isso.

É também mais fácil de compreendermos isso quando vemos que existiram outros casos que claramente deveriam sofrer uma punição gravíssima mas que, praticamente, não acontecia nada (eram punições leves), como os casos com os padres que eram pegos por abuso sexual.

No Peru, a Inquisição não ficava limitada apenas ao seu próprio território. Ela também englobava Chile, Argentina (e, por um tempo), Colômbia, Venezuela e Ilhas do Caribe.

Posteriormente, quando foi instalado um Tribunal em Cartagena (Colômbia), ele passou a ser responsável também pela Venezuela e Ilhas do Caribe.

Em ambos podia se verificar os mesmos acontecimentos do México. Havia acusações e condenações que terminavam no confisco dos bens (ou seja, motivos de corrupção) e que geralmente sobrava para os Protestantes e os Cristãos-Novos.

As Revoluções

Após os muitos casos de corrupção, podemos dizer que existe outra fase do processo de Inquisição nas Américas, que é quando as revoluções começam a aparecer (como a Revolução Americana e a Revolução Francesa) e tais ideias começam a chegar nesses países.

Como já era de se esperar, os Inquisidores não poderiam deixar que tais ideias fossem divulgadas. Isso poderia ser perigoso para o poder que a Igreja exercia, portanto, o simples fato de possuir esse tipo de material já enquadrava a pessoa na categoria de herege.

Durante e após essas revoluções, muito material começou a ser comercializado clandestinamente por pensadores, revolucionários e interessados nessa questão. A partir daí, essas pessoas ganhavam um “poder intelectual”, já que elas não só entendiam os processos e as motivações que levavam às revoluções como também tinham informações sobre como elas aconteceram (ou seja, passava-se a saber que era possível). Mas isso aconteceu já na época em que a Igreja estava começando a ter problemas com as pessoas – que não aceitavam mais essa intervenção e começavam a reagir contra a Igreja.

Por fim, todos os Tribunais estabelecidos na América Latina acabaram na mesma época, já que foi um processo natural de acordo com que os países iam conquistando (a duras penas) a sua independência.

Inquisição Nos Domínios Ingleses

É importante falar da Inquisição nos Estados Unidos devido a um caso em específico: O caso das Bruxas de Salém.

O motivo é que se trata de um caso famoso e que envolveu as terras do Tio Sam, portanto, a maioria conhece ou, ao menos, já ouviu falar sobre. Já tiveram filmes e livros que trataram do assunto – o que ajudou a tornar o caso mais conhecido.

Mas do que se trata?

Aconteceu em Massachusetts, no povoado de Salém, no finalzinho do século XVII, e terminou com a morte de aproximadamente 20 pessoas, que foram acusadas e condenadas de Bruxaria.

O “incidente” ocorreu após um médico ter diagnosticado a doença de algumas meninas como “enfeitiçamento”.

A partir daí, não foi difícil buscar um culpado, que acabou sendo uma escrava negra conhecida como Tituba. A acusação veio das próprias meninas, que alegaram ter ficado assim devido aos rituais de vodu que elas viram Tituba fazer.

Curiosamente, quando confrontada no Tribunal, Tituba confirmou tais práticas, acrescentando que muitos outros membros daquela comunidade também o faziam.

Resumidamente, o lugar ficou um caos, já que a maioria duvidava até da própria sombra, o que gerou muita desconfiança de pessoas que acabaram acusando parentes, vizinhos e até amigos de longa data (já que todo o cenário era de muita desconfiança).

Mas enfim, quando alguém já ouviu falar do caso das Bruxas de Salém, é natural pensar que a Inquisição ocorreu de fato nos Estados Unidos, mas ignoramos muitas outras coisas acerca dessa história.

Primeiramente, se você pensar um pouco sobre isso, talvez se lembre que os Estados Unidos tem, em sua maioria, Protestantes (e não Católicos) – e isso não é de hoje. Em outras palavras, o Catolicismo nunca teve força nos Estados Unidos.

Pois então, como foi que se deu esse processo?

Se você é um leitor regular do Blog, já deve ter imaginado: Não se tratava da Inquisição Católica.

Na Europa, existiram Inquisições promovidas exclusivamente pelos Estados ou pelos Protestantes.

Todo esse processo inquisitorial ocorrido nos Estados Unidos veio como reflexo da “Caça às Bruxas” que foi promovida na Inglaterra.

Para ser mais específico, apesar de alguns considerarem os casos Estadounidenses como sendo um processo de Inquisição Protestante, a bem da verdade é importante dizer que não chegou a isso.

O acontecimento se deu, antes de mais nada, por causa da própria população, que não iria admitir ficar nas mãos das “bruxas”. Logo, a atitude das “autoridades” foi tomada pela vontade do povo.

Eu sei que você pode estar pensando que isso é ridículo, mas lembre-se que, além de ser uma outra época, mesmo hoje em dia vemos absurdos que só não geram tragédias porquê o mundo hoje tem mais “regras”.  Ou você acha mesmo que boa parte desses fanáticos não te colocariam na fogueira pelo simples fato de estar lendo blogs como esse? Basta ler alguns comentários que aparecem por aqui. Se tem gente que acredita que tem Pastores curando o câncer por aí, não tem mais porquê duvidar de nada.

Portanto, os acontecimentos foram promovidos pelo Estado e de acordo com a vontade das pessoas, que não pretendiam mais admitir essa situação.

Os outros casos que ocorreram por lá foram muito pequenos – nada que mereça destaque, a não ser para lembrar que não envolveram a Igreja Católica.

Inquisição Nos Domínios Portugueses

Não podemos deixar de lado que também ocorreram processos inquisitoriais nas terras do Brasil.

A Inquisição no Brasil teve algumas características peculiares e que foram diferentes dos outros casos que ocorreram na América Latina.

Inicialmente, é importante ressaltar que no Brasil nunca houve um Tribunal da Inquisição pois, mesmo quando solicitado ao Vaticano, esse pedido não foi aprovado.

Devido a isso, a maioria dos condenados à morte foram levados a Portugal para que lá fosse executada a sentença. Os motivos eram variados, mas a maior acusação era a de Judaísmo (que os Cristãos-Novos não poderiam mais praticar devido a conversão).

Esse acontecimento se deu antes na Península Ibérica, quando começaram a expulsar os Judeus de lá. Eles eram obrigados a se converter (se tornando Cristãos-Novos) ou então deveriam sair (como vimos na Inquisição Espanhola). Ou seja, a conversão era basicamente forçada.

Após o descobrimento das Américas, muitos Cristãos-Novos vinham parar aqui (tanto no Brasil como nos outros países). No entanto, quando eles começaram a ser pegos com práticas Judaicas, eles começaram a ser denunciados. Muitas das vezes, as práticas sequer eram religiosas, se tratava apenas de traços da cultura Judaica que não tinham relação com a religião.

Houve casos também de denúncias acerca de pactos e feitiçaria, o que também não surpreende, afinal de contas, se tem uma coisa que esse lado do mundo tem (principalmente no Brasil) é essa mistura de povos e culturas que, até hoje, cria conceitos “fantásticos” como as pessoas que acham que podem ser kardecistas e católicas, ao mesmo tempo – não que exista um problema em frequentar ambos, mas achar que você simplesmente é “os dois” já é outra história.

As acusações de homossexualismo, bigamia e sodomia, também ocorreram bastante. No geral, sodomia costuma ser sinônimo de homossexualismo (principalmente nessa época), porém, a sodomia em si se trata do sexo por vias não-naturais. Ou seja, o sexo anal. E existem casos de sodomia que parecem não ter tido relação com atos homossexuais, como no caso da Feliciana de Lira Barros (que você pode ver nesses arquivos).

É claro que a “sodomia” da qual ela é acusada poderia simplesmente ser de um ato homossexual entre ela e uma parceira, no entanto, quando a sodomia estava relacionada a um ato sexual entre duas mulheres ela era referida como “sodomia foeminarum”. Como não foi o caso, é bem provável que ela tenha sido culpada pelo ato sexual anal.

Eis que eu me pergunto: Mas como raios alguém pode ter feito essa denúncia? Será que alguém viu e denunciou? Será que as mulheres batiam papo sobre essas coisas nessa época já? Será que o marido contou isso no bar, na tentativa de mostrar que ele “mandava ver” mesmo?

Eu gostaria mesmo de saber, mas o leitor pode ver, nesse link em que eu marquei o nome dela, que esse documento é completamente ilegível.

Apesar de ser genial o fato de terem documentos dessa época disponível no site do “Arquivo Nacional da Torre do Tombo” (Portugal) parece que as pessoas que os escreveram estavam escrevendo uma receita de médico infinita e, mesmo estando em Português, é como se estivesse em Russo.

Se alguém for capaz de transcrever isso aí, conte-nos por favor (eu prometo que atualizo aqui).

As Visitações

No começo, as denúncias eram feitas por bispos daqui mesmo mas, depois de um tempo, passou a acontecer o que ficou conhecido como as “Visitações”.

A proposta delas era investigar os casos de heresia que apareciam por aqui. O problema era que não havia uma investigação que merecesse realmente esse nome. Para começar, uma simples denúncia de alguém já era suficiente para colocar o acusado em uma situação muito complicada, onde ele já era obrigado a responder um processo.

Sendo assim, ocorriam casos onde a acusação era feita simplesmente por desafeto ou porque o acusador tinha uma leve dúvida acerca da conduta do outro – e, como ele não gostaria de ser conivente com ações demoníacas, preferia acusar (por via das dúvidas).

Como nos outros casos, a Inquisição no Brasil foi fazendo menos sentido de acordo com que o senso de patriotismo das pessoas começava a “aflorar” para lutar por uma independência.

Por fim, é importante deixar claro também que, apesar de haver mais de 1000 condenados, nem 30 pessoas chegaram a sofrer pena de morte pela Inquisição, oficialmente. Ou seja, apesar dos pesares, não morreu muita gente.

This entry was posted in Satanismo. Bookmark the permalink.

8 Responses to Satanismo – Inquisição No Novo Mundo

  1. Carlos Macedo says:

    Não ia imaginar que ia aparecer bruxas de salém no meio desse texto. Não conhecia a história, só de ouvir falar mesmo como o admin falou, mas achei muito boa. Post muito bom.

  2. Daniel Lima says:

    Descobri o blog a alguns dias e não consegui deixar de ler tudo.
    Informações muito esclarecedoras.
    Obrigado e parabéns!

  3. Ricardo Aurélio Albanaes Mebs says:

    Olá caríssimo!

    Depois de ler cuidadosamente todos os seus posts, me senti inclinado e obrigado a
    retratar meu apresso o elogiando por sua intensidade no mergulho pelo conhecimento, trazendo e compartilhando-o com segurança desmistificando incredulidades por pessoas desinteressadas e aplicadas em caluniar e difamar crenças por suas concepções etnocêntricas, que se ao invés disso aplicassem o mínimo de relativismo se desviariam de tamanha crueldade e pensariam melhor nas consequências de seus atos, que introduzem preconceito entre outras males ainda maiores.
    Muito obrigado por dar a oportunidade de formar uma nova opinião sobre a maçonaria e que Deus continue a abençoar e te tornar cada vez mais essa pessoa iluminada.

    Grato!.

  4. Taiane says:

    Vc tem a bibliografia disso? estou cursando história-licenciatura vou tratar do mesmo tema em um trabalho – mais especificamente dos EUA

  5. Mateus says:

    O isolamento da América em relação ao resto do mundo, durante milênios, determinou o desenvolvimento de numerosas espécies vegetais e animais autóctones, assim como a ausência de outras, que foram introduzidas após a colonização européia (o cavalo, o porco e o boi, entre outros).

  6. BOLODÓROS says:

    Os caras ja estão mortos. Sejam as vítimas ou os assassinos. Hoje a igreja não apita em nada no estado. E se uma freira quiser me fazer feliz eu meto-lhe a felicidade também. Se o padre queima rosca na panificação é problema dele. Se o papa só fala merda e tem bilhões pra achar bom que se dane.

    Percebi que este site só é bom mesmo pra quem é iniciado. Mas tá legalzinho. Só esta faltando mostrar os simbolos e contar a verdade sobre os mesmos, como usam na vida prática, em que situações. mas ai já é querer demais né. ahahahahahahh Nada melhor que bom senso pra não melar as calças.

Leave a Reply to Maçonaria e Satanismo (admin) Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>