Satanismo – O Verdadeiro Impacto da Inquisição

Nessa semana daremos prosseguimento com um post que é de grande importância para o entendimento de quem está acompanhando os Posts do “Maçonaria e Satanismo”.

Se já vimos que a Igreja não foi responsável nem por metade das condenações e assassinatos que foram atribuídos a ela, caberia então uma pergunta interessante sobre a questão:

“Qual então foi o impacto da Inquisição se, na prática, não houve tanto exagero quanto se conta?”

A princípio, como também ocorreu um processo de Inquisição feito por outras instituições religiosas (como os grupos Protestantes) e também pelos Estados, é natural que se pense que o verdadeiro “peso” da Inquisição estava na soma de todas elas.

Ou seja, mesmo que a culpa da Igreja tenha sido reduzida de forma substancial, ainda seria possível pensar na Inquisição como um período negro, já que muitos outros casos ainda ocorreram, realizados por grupos que não teriam relação alguma com a Igreja Católica.

Essa é uma resposta que parece fazer sentido, certo? Sim, faz todo o sentido, porém, cabe aqui uma informação muito importante quando se está analisando o processo da Inquisição como um todo (e não só a participação da Igreja Católica).

Mesmo quando somamos todos os casos da Inquisição (independente do grupo que tenha feito), esses casos continuam sendo bem inferiores aos números absurdos que foi apresentado todo esse tempo.

Sim, é isso mesmo. Podemos pegar os casos da Igreja, somar a todos os casos que envolviam os Estados e as Igrejas Protestantes, dobrar esse valor e, ainda assim, não justificaria apresentar a Inquisição como sendo algo tão devastador na história da humanidade.

O principal motivo de se ter acreditado nisso por tanto tempo, como já foi dito no Post “A Inquisição Foi Tão Cruel Quanto Se Imagina”, foram as críticas feitas pelos anticatólicos (principalmente os protestantes) que utilizaram dessa mancha na história da Igreja para se promoverem. Afinal de contas, independente do tamanho que a Inquisição Católica realmente teve, tais atitudes jamais encontrarão uma justificativa dentro da sua própria filosofia.

Na melhor da hipóteses, poderíamos justificar essas ações alegando que os membros agiram dessa forma por tomarem como verdade absoluta os preceitos religiosos (como já foi colocado no Post “O Perigo dos Preceitos Religiosos).

O Impacto

Então podemos dizer que foi tudo um grande exagero e que a Inquisição não teve nenhum impacto?

Não, não podemos fazer isso.

O fato da Inquisição não ter sido tão cruel quanto se imagina e dos grupos anticatólicos terem exagerado para complicar o lado da Igreja, não faz com que a Inquisição não tenha tido impacto na história.

Os primeiros movimentos que deram início a Inquisição, como a Cruzada dos Cátaros, já criaram um cenário que não era de se esperar na época. Afinal, uma coisa era realizar uma Cruzada nas Terras do Oriente Médio, onde o conflito se dava com uma cultura completamente diferente e distante do povo Europeu, e outra bem diferente era fazer o mesmo com pessoas que eram reconhecidas pelos demais como iguais.

Aquele estava sendo um recado de que a Igreja reprovava, sem ressalvas, tudo aquilo que ela considerava ser uma heresia.

Na teoria, isso queria dizer que “se você estivesse contra a doutrina da Igreja” você seria um herege, mas, na prática, isso queria dizer que “se você não concordar com o que a Igreja disser que é o certo, você é um herege” (como foi o caso da Maçonaria, que nunca feriu em nada os dogmas da Igreja).

Seguido disso, os casos em que a Inquisição Católica atuou envolveram, na grande maioria das vezes, questões filosóficas que impactavam no poder da Igreja.

Em outras palavras, não era só o simples fato de ser um pensamento diferente do pregado pela doutrina católica, mas sim de ser uma doutrina que poderia mudar o comportamento da sociedade e colocar o poder da Igreja em risco.

Não é a toa que tivemos nomes como Copérnico, Galileu, Giordano Bruno e muitos outros que tiveram de se calar (para evitar o confronto com a Igreja) ou foram condenados e/ou mortos por ela. Eles não apresentavam apenas pensamentos contrários. Suas afirmações acerca do funcionamento das coisas contradiziam o entendimento que a Igreja tinha e isso não era interessante para a instituição.

Apenas esse fato já seria suficiente para refletirmos sobre o impacto que isso acabou tendo no desenvolvimento filosófico e científico.

Eu sei que não estou apresentando uma novidade quanto a isso, já que quase todo mundo sabe de casos como o de Galileu, que foi forçado a dizer que a Terra não girava em torno do Sol, mas não é incomum que, ao descobrir como realmente foi a Inquisição, se pense que casos como esse não foram então tão importantes assim quanto se imaginava, mas isso não é verdadeiro.

E isso sem falar que os Estados também tinham por base as doutrinas e diretrizes da Igreja e isso, nem de longe, pode ser desconsiderado.

Os casos em que a Igreja e o Estado brigavam não chegavam nem perto do quanto eles colaboravam um com o outro. Até porquê, sem esse auxílio a Igreja não teria conseguido nada.

Pense um pouco sobre como seria possível uma Inquisição se os Estados simplesmente decidissem que isso não aconteceria. Aliás, a própria Igreja não teria força para existir sem isso.

É como pensar nos governos. É quase uma piada (se não fosse trágico) que ainda existam governos corruptos, opressores e etcs. Sabemos que bastaria que o povo todo tomasse uma atitude para derrubar esse governo (ainda que a forma de se fazer isso não seja tão simples). Com a Igreja não seria diferente.

E, quando a doutrina da Igreja era absorvida por um Estado, também havia uma certa “vigilância” por parte do Estado quando surgiam ideias contrárias as da Igreja, o que permitia que a Inquisição se mantivesse ali.

Por fim, ainda que a ciência e a filosofia não tenham sido plenamente eliminadas pela Inquisição, muita coisa foi freada e é possível encontrar vários casos para ilustrar essa situação.

Além disso, mesmo sendo possível buscar os casos em que a ciência e a filosofia ficaram prejudicadas por isso, quantos casos podem não ter sido registrados e quantas pessoas podem ter se intimidado e deixado de expor suas ideias e descobertas com medo da Santa Inquisição?

As bases da instituição católica foram as bases das nações europeias por muitos e muitos séculos e, mesmo depois que começaram a aparecer grupos para bater de frente com ela, como o Renascimento, o Protestantismo, o Iluminismo e etc, a grande massa ainda demorou para começar a absorver a ideia de que poderia existir outros caminhos além daquele que estava sendo apresentado pela Igreja.

Se até hoje em dia, onde o que não falta é informação, ainda existem milhões de pessoas que acreditam (e defendem) o criacionismo e uma série de outros absurdos que vem no pacote, imagine então a séculos atrás.

A Inquisição foi impactante no pensamento da época, principalmente no sentido de conter (ou tentar conter) a heresia pelo medo das consequências. Por isso, não é porque as coisas foram melhores do que se contam que podemos acreditar que isso não causou impacto nas sociedades cristãs.

O impacto houve e, incrivelmente, ainda deixou vestígios nos tempos atuais…

 

Veja Também

Satanismo – O Início da Inquisição
Satanismo – A Inquisição Foi Tão Cruel Quanto Se Imagina?
Satanismo – A Inquisição Espanhola
Satanismo – Jesuítas e a Inquisição
Satanismo – O Perigo dos Preceitos Religiosos
Satanismo – Os Franciscanos e a Inquisição
Satanismo – O Verdadeiro Impacto da Inquisição
This entry was posted in Satanismo. Bookmark the permalink.

10 Responses to Satanismo – O Verdadeiro Impacto da Inquisição

  1. R.R.Machado says:

    Tenho acompanhado seus posts já há algum tempo, já li (e reli) todos e devo dizer que são muito bons: ideologicamente imparciais e historicamente perfeitos. Desejo sinceramente que em breve virem um livro, já que certamente muitos dos que comentam aqui o compraria.

    Já especificamente sobre esse post, senti falta de uma análise sua mais clara sobre o Satanismo propriamente dito na época da Inquisição. Obviamente não tínhamos na época nada “moderno” ou “LaVey”, mas a dúvida que ficou para mim, é: como os Satanistas da época da Inquisição se comportavam em face a tal barbaridade? Eram já assumidamente “Satanistas” ou “Iluministas”? Ou ainda, “Iluministas/Maçons” ou mesmo “Pagãos”, que depois se ramificariam no que hoje conhecemos como Satanismo moderno?

    Desculpe se isso já fora esclarecido em outro post – ou ainda se a dúvida não procede -, mas como sou leigo posso ter me perdido em algum ponto histórico que desconheço.

    Grande abraço, e novamente parabéns pelo trabalho.

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      Caríssimo,

      Na verdade, as correntes que verdadeiramente se denominavam Satanistas só vieram a aparecer nos últimos dois séculos. Logo, nunca houve realmente um problema com relação a Igreja (mesmo porque, a expressividade desses grupos eram bem menores do que as de Ordens como a Maçonaria).

      Se denominar Satanista nessa época era como se denominar seguidor de Mesmer, do Zoroastrismo ou da Sagrada Magia de Abramelim. A Igreja poderia até condenar, mas era daquelas condenações onde se misturava tudo que não fosse da Igreja para acusar de Satanismo. Então, na prática, não fazia muita diferença se declarar Satanista ou qualquer outra corrente de pensamento não-cristão.

  2. Carlos Macedo says:

    Apesar dos dados apresentados aqui no blog, até o presente momento, estarem muito consistentes fazendo com que a igreja católica deixe de ser acusada por milhões de mortes que parecem não ter ocorrido, ainda acredito que o número de mortes pela inquisição foi muito maior do que a história registrou. Muita coisa pode muito bem não ter sido registrada ou mesmo apagada pelos futuros dirigentes da Igreja.

  3. Paulo Ricardo says:

    Excelente. Nem todo o dano ou consequência (principalmente no caso de uma repressão) pode ser perceptível facilmente de forma direta.

  4. Dias says:

    o grande destruidor sempre esteve infiltrado na igreja católica até lutero perceber o maligno e fazer a propria igreja questionando o poder dominante e pregando a verdadeira glória de jesus cristo que nunca esteve nas imagens veneradas pelos católicos.

  5. Antonio Paiva says:

    Pelo bem ou pelo mau a ciência só foi revelada no tempo certo.

    Paz Profunda

  6. filipa says:

    ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc eu amo este blog <3333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

  7. ivo says:

    Olá Admin, me diz uma coisa: vc falou que o criacionismo está entre outros absurdos. Mas sabemos que é agnostico, ou seja, crê em Deus, embora nao o conheça. Como conciliar a crença na existencia de Deus (ainda que enigmatica) com o fato de Ele nao ter nos criado? Uma sugestao: poderia inserir no seu site um recurso que informa aos leitores, via e-mail, sobre os ultimos comentarios? Grato…

  8. BOLODÓROS says:

    Assim como os judeus mortos pelos nazistas perto do total se não me engano 70 milhões contra 6 milhoes de judeus fica pouco claro que o judeu foi o único perseguido na história. A massonaria foi uma minoria perto do contesto mundial. O que quero dizer é que o mundo seria muito melhor sem religião no meu ponto de vista. Sinceramente o fato de os massons serem de várias religiões é muito bom, é um grande exemplo a ser seguido. O Brasil é o maior exemplo pelo mundo. Proximo ao centro temos comercios de descendentes de japoneses, chineses e coreanos. comercio judeu e arabes em geral, ninguem faz guerra, todo mundo vive em paz. Bem, desculpe-me a igreja e meus antepassados, eu não tenho capacidade intelectual pra seguir por esse caminho. Deus nos ajude para que o dono das armas não se vire contra caras como eu, já que não posso ajudar quem escolheu seu caminho e vai responder por ele. Espero que ninguem mais seja perseguido por fazer escolhas que não prejudicam ninguém. Afinal umas duas ou tres vezes no ano eu queimo um baseadinho e fico muito doido. AAHAHAHAHHAAHH E DAÍ. MEUS MESTRES ASSENCIONADOS ME CASTIGAM FUDIDAMENTE, MAS EU NÃO APRENDO. QUEM VAI SE FU … SOU EU.

    SEJA MASSON, ISSO É SE PUDER RSSSSSS
    AGORA SE VC QUISER SER CATÓLICO É FÁCIL.
    SEJA COM EU ENTÃO, SE QUISER, ANONIMATO, NENHUMA REGRA, NENHUMA RESPONSABILIDADE, E INCLUSIVE FICAR AQUI LENDO SEM COMPROMISSO E PASSANDO UM TEMPO FAZENDO ALGO QUE GOSTO. PENSAR E ESCREVER SEM SER NOTADO.

    AFINAL O BLOG É BOM. É INTELIGENTE É CULT

  9. antonio says:

    Estou acabando de ler(2ª vez) o livro do Profº Felipe Aquino “Para entender a inquisição” e gostei muito do seu blog, parabéns, !

Leave a Reply to antonio Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>