Satanismo – Os Franciscanos e a Inquisição

Tau Maçonaria SatanismoSeguindo adiante com os Posts sobre a Inquisição, hoje vamos falar um pouco sobre as acusações dirigidas aos Franciscanos com relação a Inquisição.

No primeiro post dessa série (O Início da Inquisição), tratamos sobre São Domingos (fundador da Ordem dos Dominicanos) e sobre as especulações dele ter sido ou não o primeiro inquisidor.

Caso você não tenha lido o Post, dê uma lida antes de continuar a leitura.

Em um dos pontos abordados, vemos a perspicácia de Domingos de combater os cátaros no terreno intelectual. Tal posicionamento era um reflexo de como Domingos tratava a doutrina cristã, que deveria ser compreendida e não imposta. Ele desenvolveu um “projeto” que acabou criando alguns grandes debatedores.

Friso isso para que não se confunda aqui o processo intelectual dos Dominicanos com os dos Jesuítas, que tinham o objetivo doutrinador e educador, ainda que estes também estivessem plenamente preparados para qualquer debate que, porventura, viesse a acontecer durante a sua jornada de conversão – que era fortemente filosófico e intelectual.

Esse caráter firme de Domingos fez com que ele, em alguns casos, desse várias penitências (incluindo o flagelo) aos ex-hereges que buscavam a absolvição.

A partir de casos como esses, não é incomum que a santidade de Domingos acabe sendo questionada, já que muitos perguntam como alguém poderia ser considerado santo se quis “punir” os hereges?

No entanto, a resposta para isso é bem simples e, após o Post Os Perigos dos Preceitos Religiosos, creio que seja simples chegarmos a essa resposta. As penitências eram a forma de você ser absolvido e deixar de ser herege, logo, passar essas punições não seria algo ruim ou questionável, mas sim algo que se fazia para o bem do outro – que foi o caso de Domingos.

Mas afinal, o que isso tem a ver com os Franciscanos?

Citei Domingos novamente em um Post para poder perguntar:

“Se os dominicanos tem um trabalho mais rígido com relação a ‘palavra’ e compreendemos que, segundo a doutrina cristã, eles não fizeram nada de errado durante a Inquisição, deveríamos então admitir que essa era a melhor forma de atuar como cristão?”

Bem, São Francisco esteve aí para nos mostrar um outro caminho. Uma forma de viver a doutrina de Cristo renunciando a tudo para “atender ao mundo”.

Devido a isso, os franciscanos tiveram uma imagem muito importante, já que abandonar aquilo que é material é se dedicar aos verdadeiros valores de um cristão não era algo comum de se ver (e continua não sendo). Para muitos, esse é o verdadeiro exemplo de cristianismo que todos deveriam ter – e creio que nem precisaria chegar a esse radicalismo todo, bastaria que essa visão se refletisse um pouco na vida daqueles que dizem seguir as palavras de Cristo.

Francisco não ficou conhecido pela intelectualidade, entretanto, sua forma de pensar com relação as escrituras foi muito importante, já que ele sempre priorizou os evangelhos, do qual nada nas escrituras deveria sobrepor.

Sua forma de agir tentava demonstrar a prática de Cristo, de acordo com os evangelhos.

Diante disso, não é difícil imaginar qual se tornou a proposta dos Franciscanos. O que nos leva a perguntar: Como esse perfil combinava com o perfil que um Inquisidor deveria ter?

Os Franciscanos

Inicialmente, um dos motivos pelo qual se alega que os franciscanos foram convocados no início da Inquisição, juntamente com os dominicanos, é de que ambas as Ordens combatiam fortemente os problemas de moral que a igreja passava. Logo, seria natural convocá-los  para julgar os “hereges”, já que eles (os hereges) estariam em desacordo com a verdadeira fé cristã.

Porém, ainda que não houvesse qualquer motivo que justificasse essa escolha, a Igreja nunca precisou de um. Ela tinha todo o direito de convocar quem ela achasse que deveria atuar e não cabia aos convocados questionar isso. Tanto é que, fora alguns casos mais específicos, a maioria das escolhas foram tomadas com base em questões práticas (como a região onde um tribunal fosse ser montado e etc).

No geral, não há motivos para se preocupar muito com os motivos pelo qual a Igreja escolhia seus inquisidores, já que ela não devia satisfação a ninguém quanto a isso. Então, vamos seguir adiante.

Como imaginar franciscanos atuando na Inquisição?

A primeira resposta que nos vem a mente, baseando-se na ideologia franciscana, é de que eles não fariam nada além daquilo que eles deveriam fazer, já que eles estavam apenas cumprindo ordens.

No entanto, se você fizer uma pesquisa (principalmente em língua espanhola), com relação aos franciscanos e a inquisição, verá que eles são acusados de enriquecerem de forma ilícita, casos de abusos e até casos de assassinatos.

Isso certamente nos surpreende, mas será que tudo isso deve ser aceito como verdade?

Pois bem, alguns casos são reais. Alguns são casos dos quais só se tem um registro simples que não nos permite ter detalhes da situação, e outros que nos permitem mais riqueza de detalhes, como o caso do Tribunal da Inquisição de Goa (que pode ser estudado em ótimos livros).

Como você já deve estar acostumado (caso tenha acompanhado os Posts anteriores), os números que acusam os franciscanos são exagerados. Os casos que existem documentos reais sobre o tema são muito poucos e não chegam nem perto das centenas que muitos alegam.

Como eu não acho que vale a pena citar esses casos aqui, se o leitor tiver um interesse maior no tema, basta pedir por e-mail.

Além do mais, apesar de existirem casos – o que não quer dizer muita coisa, já que alguns casos nem de longe são suficientes para refletir um “comportamento geral” – poucos estão diretamente ligados a Inquisição, o que nos faz concluir que a grande maioria dos casos (principalmente os exagerados) são falsos.

Como já vimos, no caso da Inquisição como um todo, foi necessário uma pesquisa minuciosa para analisar a questão e se descobrir se os mitos sobre a Inquisição ter matado milhões de pessoas era real. O motivo disso é que tais alegações tinham, muitas das vezes, algo que nos conduzia aquela conclusão, portanto, não era simples modificar esse cenário.

No entanto, esse não é o caso aqui. Simplesmente não há sustentação para a esmagadora maioria das afirmações, então é bem simples descobrir o que é verdadeiro e o que é falso. Basta buscar a origem das afirmações.

Ao que parece, os discursos que atacam os Franciscanos como sendo uma Ordem tão cruel e que vai de encontro aos seus princípios é mais um discurso anti-católico do que algo verdadeiro. Afinal, não podemos pegar alguns casos específicos (seja recente ou de muitos séculos atrás) e julgarmos que essa seja a “verdadeira face” dos franciscanos.

São Francisco de Assis

Por fim, para não deixar o próprio São Francisco de lado, e já que estamos falando dos Franciscanos, cabe esclarecer aqui um ponto importante sobre Francisco.

Como São Francisco é diretamente associado a ideia de plena comunhão com a natureza e total desapego daquilo que é material, muitos consideram que ele se abstinha das questões mais “sérias” com relação a doutrina da Igreja, o que é uma ideia errada de Francisco. Ele sempre esteve de acordo com a doutrina da Igreja e pode-se ver, em várias cartas e documentos, o posicionamento dele.

É importante citar essa questão para que não se imagine os Franciscanos como religiosos que moram em florestas, cantando e dançando com os animais. Apesar de não terem sido como os Dominicanos e os Jesuítas, na rigidez da “palavra” e nos processos intelectuais, eles nunca foram negligentes quanto aos seus deverem católicos e a doutrina da Igreja.

[Como não é o objetivo aqui explorar a vida de Francisco, recomendo um ótimo livro que explora bem essa questão: Francisco de Assis: O Santo Relutante.]

 

Veja Também

Satanismo – O Início da Inquisição
Satanismo – A Inquisição Foi Tão Cruel Quanto Se Imagina?
Satanismo – A Inquisição Espanhola
Satanismo – Jesuítas e a Inquisição
Satanismo – O Perigo dos Preceitos Religiosos
Satanismo – Os Franciscanos e a Inquisição
Satanismo – O Verdadeiro Impacto da Inquisição
This entry was posted in Satanismo. Bookmark the permalink.

13 Responses to Satanismo – Os Franciscanos e a Inquisição

  1. Gabriel P. says:

    Olá Admin!

    Devo dizer que faz um certo tempo que não entrava no seu site. Essa serie de posts esta deixando os católicos mais bonzinhos, e isso não é legal! kkkkkkkk

    Brincadeiras a parte, meus parabéns! Li os últimos posts e esta ficando um excelente trabalho no todo!

    Agora com todas essas ordens dentro da ICAR, tive que dar um pesquisada nas vestimentas para não confundir, a saber: Jesuítas (Preta) / Franciscanos (Marrom com corda amarrada na cintura) / Frades Dominicanos (Branca).

    Você saberia me dizer se, para cada cor existe uma outra função alem de diferencia-los?

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      É perigoso deixar os católicos mais “bonzinhos”? Heheheh… Fique tranquilo, isso é só História e já passou. Eles continuam condenando a camisinha e o aborto (mesmo em casos extremos como os de estupro). Logo, as práticas atuais não os está ajudando a manter uma boa imagem.

      No mais, não há uma função específica para as cores, mas elas sempre tem um signifcado simbólico dentro daquele contexto.

  2. Astaroth says:

    Francisco, apesar do homem que foi, também fez muitas coisas que deveriam colocar em xeque essa posição de SANTO que ele tem. Ser um homem muito bom não dá carta branca pra fazer o que bem entender. Não tenho nada contra quem gosta do cara (eu mesmo acho que o cara pode ser um exemplo, em vários aspectos) mas querer enxergá-lo como santo é algo exagerado.

    O problema é a visão de querer “santificar” ou “crucificar” as coisas. Quando se avalia um homem buscando nele a postura de um Santo, é muito difícil que esse homem não tenha tido nada em sua vida que possa ser usado contra ele, em algum momento.

  3. Laura says:

    Vc pensa em falar sobre ocultismo ? Acho que seria um assunto interessante ..

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      Olá Laura,

      Dei essa resposta em outro Post por não ter visto que ela também estava aqui: “Provavelmente haverá uma série diretamente sobre ocultismo, no entanto, ainda será dentro do universo de Maçonaria e Satanismo, já que ficaria fora de foco simplesmente falar sobre ocultismo quando a proposta do blog é tratar de Maçonaria e Satanismo.

      Ainda não há uma previsão de quando será, mas é só continuar acompanhando o blog que um dia chegará.”

  4. Victor Hugo says:

    Olá Admin, excelentes posts como sempre.

    Uma curiosidade, qual a sua formação acadêmica? É na área de História?

    Espero não ter sido intromedito.

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      [Sem problemas... Fique à vontade]

      Minha formação não é na área de História, é na área de Comunicação. Além disso, tenho uma pós-graduação em Gerenciamento de Projetos e me especializei em Pesquisa de Mercado.

      Como muitos processos na área de pesquisa de mercado são análogos ao processo de pesquisa e análise histórica, isso deve ter influenciado um pouco.

  5. raph says:

    Oi Admin,

    O que você teria a dizer sobre a suposta relação de Francisco de Assis com o islamismo e, particularmente, as ideias vindas do sufismo?

    Há quem diga que a Ordem dos Irmãos Menores foi fortemente inspirada nos dervixes do sufismo…

    Abs
    raph

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      Olá meu caro,

      Para lhe ser bem sincero, eu nunca havia feito a relação entre os Franciscanos e os Dervixes. O motivo é que eles (os dervixes) vez ou outra são citados nos livros sobre o Templarismo.

      Há inúmeras teorias sobre a que ponto chegou a relação dos Templários com os Muçulmanos e, em virtude disso, não é incomum vermos diversos pontos do Islamismo (principalmente do sufismo) sendo relacionado com os Cavaleiros Templários.

      O motivo pelo qual eles são relacionados aos Templários é a relação de votos como os de pobreza e castidade que, consequentemente, levavam ambos a terem práticas parecidas. No entanto, boa parte da Regra dos Templários (que foi escrita por São Bernardo) vem de Agostinho, ou seja, dos primeiros séculos da Era Cristã.

      Os Dervixes podem realmente ter inspirado a Ordem dos Franciscanos, mas particularmente eu acho mais provável que tais práticas tenham vindo da própria doutrina cristã. Lembrando que o próprio Agostinho se baseou, na época, em práticas (dos primeiros cristãos) que hoje consideramos gnósticas.

    • Maçonaria e Satanismo (admin) says:

      A grande questão é que se trata de uma tentativa de se montar um quebra-cabeça. Realmente pode ser que sim, mas não podemos deixar de considerar que nada do que Francisco pregou ou fez está além da doutrina cristã (que é muito bela, por sinal).

      Além disso, é preciso considerar que uma pessoa (principalmente as que hoje consideramos grandes nomes da história da humanidade) pode realizar todo esse desapego e caridade através da empatia (sendo capaz de sempre se colocar no lugar do próximo e, a partir disso, tomar uma atitude benevolente).

      Apesar de alguns pontos aparentemente gritantes (que relacionam as práticas de Francisco com algumas especificidades do Islã), com os dados que temos eu faria uma aposta na hipótese do desenvolvimento ter sido a partir da própria doutrina cristã. E, a bem da verdade, creio que muitos pontos da doutrina cristã só não foram personificadas em outras ordens cristãs porquê, muitas das vezes, nem mesmo o Papa dava importância real a elas (quem dirá os que estavam abaixo dele). Talvez por isso casos como os de Francisco acabaram sendo raros, infelizmente.

  6. BOLODÓROS says:

    Prezado(s)

    Caso nos seja permitido pelos irmãos espirituais que nos auxiliam no trabalha Kardecista,
    gostaria de podermos salientar a importância dos trabalhos mediúnicos para melhor compreender os motivos, causas e efeitos pelos quais agiram de tal maneira. Sendo benevolente para com as primícias respeitosamente, Acredito que invocar o poder da palavra pelo próprio através dos irmãos seria melhor a fim de responder -mos as questões deliberadas. Evoquemos nosso irmão chico xavier para a resposta as quais consideramos necessárias. Serio mesmo. Só evocando os espíritos pra saber a verdade deles. mas pelo jeito não é muito fácil pra eles passarem pro lado de cá e abrir o bico. Afinal a velha frase, morto não fala é bem pragmática.

    Gostaria de saber do admin. Se é do interesse falarmos em como utilizar novas tecnologias limpas, em como produzirmos toneladas de humus, em como absorvermos toda tecnologia necessária para criarmos uma nova atlantida. Admin. o que acha de construirmos cidades subterraneas onde o lado exterior seria totalmente verde, e repleto de vida? Em como construirmos aéronaves para nos livrar de tissunamis. Ou como por exemplo como salvar nossa espécie das catastrofes que estão nos acometendo. Gostaria de saber se o satanismo ou a massonaria detem o conhecimento dos melhores alimentos para nosso corpo, e se o satanismo ou a massonaria detem a capacidade de criar uma mini cidade massonica ou satanica onde os individuos selecionados de acordo com critérios de sua formação profissional, moral e ética possa criar realmente um protótipo para a humanidade seguir. Criar uma super civilização, Gostaria de ver um lugar onde só mora masson ou satanista sem depender de ninguém, nem do brasil, nem de nenhum estado pois detém o poder tecnologico e cientifico, moral é etico para a sociedade mais perfeita que já existiu na terra. Se conseguem fazer isso sozinhos.
    Sem esse papo do passado. Usando o tempo livre apenas para a evolução tecnologica e moral da sociedade perfeita, sem dogmas, sem perda de tempo. EX. Estudar, curtir a vida e viver em paz, sem neuroses. A massonaria ou o satanismo detém essa capacidade?

  7. antonio dal fabbro says:

    gostei muito. Gostaria de receber mais informaçoes.

  8. Cristina Cleto says:

    Olá, bom dia!
    Gostaria de entender melhor sobre a relação que existe entre São Francisco de Assis e a Maçonaria.
    Obrigada!

Leave a Reply to antonio dal fabbro Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>